quinta-feira, 19 de janeiro de 2017

#797

Pessoas, decorem bem este sinal:









Agora que os decoraram, andem sempre de olhos bem abertos quando estiverem a conduzir e metam sempre o pé ao travão assim que virem um destes.
Para os mais distraídos, isto são os símbolos que avisam onde estão os radares novos (cerca de 50) que instalaram em vários pontos do país. No Porto, especificamente, estão em sítios em que toda a gente passa, como A3 e VCI, por exemplo, e estão bem dissimulados. O radar está sempre sinalizado com esse sinal de trânsito que mostro em cima, mas provavelmente a maior parte das pessoas nem repara nisso. Para além de esse sinal estar sempre perto de outros sinais ou em sítios recuados e com pouca visibilidade, o que aumenta a sua camuflagem. Depois há só umas caixas grandes, que são muito parecidas com aquelas caixas da electricidade, mas que têm uma abertura para tirarem a foto. E pelo que li sobre estes radares, mandam multa para qualquer velocidade acima do limite estabelecido, ao contrário dos radares móveis, por exemplo, que não costumam multar uns kms acima do limite, e também não precisam de acção humana, querendo isto dizer que a multa vai chegar sozinha ao destinatário, sem nenhum agente ter de intevir. Não tenho a certeza de quando começaram a funcionar, nem sei sequer se já estão todos em funcionamento, mas nunca fiando, é melhor prevenir e travar sempre que passarmos por um. Há 50 destes espalhados por todo o país e estão sempre 30 a funcionar em simultâneo. Por isso agora a vida vai estar muito mais dificultada para quem gostar de acelerar. Muito cuidadinho!

quarta-feira, 18 de janeiro de 2017

#796

Continuo a irritar-me com pessoas que não entendem os sinais. Se enviam um email, uma mensagem ou o que seja a falar de um assunto, a sugerir alguma coisa, a fazer um convite, e se ninguém responde, se não há feedback nenhum, como não conseguem assumir sozinhas que ninguém está interessado? É mesmo preciso forçar e continuar sem obter respostas e forçar mais até as pessoas responderem 'não'? Eu sei que há pessoas que não percebem muito bem indirectas, mas nem é o caso de serem indirectas, é o caso de ninguém responder, ninguém mostrar interesse. Se as pessoas não mostram interesse, vamos forçar porquê? Gostava de me relacionar com pessoas mais inteligentes nos ambientes onde me movimento. É um desejo para 2017.

terça-feira, 17 de janeiro de 2017

#795

Post indicado para pessoas com cabelos médios ou compridos: eu lavo o cabelo todos os dias de manhã, quando tomo banho, e por isso tenho de pentear o cabelo todos os dias enquanto está molhado. O problema é que muitas das vezes não uso amaciador ou máscara no banho, gosto de usar aquelas que se põem depois de o cabelo estar enxugado, mas não facilitam muito o processo de pentear. Fico com o cabelo muito eriçado e dói-me bastante a pentear e por isso arranco também muitos cabelos nesse processo. A questão é que eu até agora sempre usei este pente:




Há uns tempos, andava à procura do pente e não encontrava, e então fui ao cesto das coisas do cabelo procurar outro pente. Então decidi usar este pente:


E a diferença é abismal! Este pente desembaraça super bem, não arranca tantos cabelos, é muito mais suave. Desde que comecei a usar este pente, não quero mais mudar. O ritual de pentear o cabelo depois do banho é muito mais fácil, rápido e menos doloroso. Não sei como tinha lá isto este tempo todos e nunca usei. Se têm o mesmo problema que eu tinha, aqui está a vossa solução! Se já sabiam disto há muito tempo e eu é que tenho sido burra, ignorem só.

segunda-feira, 16 de janeiro de 2017

#794

Estou registada naqueles sites onde respondemos a inquéritos, maioritariamente sobre produtos e serviços. A situação é que às vezes os inquéritos têm perguntas tão parvas. Perguntas que não dá mesmo para entender qual o objectivo e que não se adequam nada às situações. Gostava de saber se são perguntas de despiste, por exemplo, que têm como objectivo fornecer informações para além do óbvio, ou se as pessoas que redigem os inquéritos são só tansas e não se conseguem exprimir de forma clara.

#793

Hoje em dia mede-se a rebeldia e capacidade de as pessoas se insurgirem contra o sistema pelas denúncias do facebook. Quer seja em denunciar os outros por postarem coisas ofensivas, porque estão a fazer sua parte para melhorarem o mundo em que vivemos, como em serem denunciadas, que por seu lado significa que são muito rebeldes. As pessoas ficarem 24h impedidas de entrar no facebook porque alguém denunciou uma publicação sua é praticamente semelhante a passarem a noite na cadeia. Com a desvantagem de não se poderem vitimizar durante essas 24h, mas isso é facilmente compensado após ganharem acesso novamente à rede social. Depois vêm as queixas de que não se pode dizer nada, que as outras pessoas são umas virgens ofendidas, que aguentaram estoicamente essas 24h fora da rede, numa alusão às salas de tortura da PIDE, e que voltaram, cheios de coragem e que não vão vergar perante as regras do facebook, essa PIDE dos tempos modernos. De rir.

sexta-feira, 13 de janeiro de 2017

#792

Gato preto numa sexta-feira 13. Gosto de acreditar que uma superstição anula a outra, tipo as duplas negativas. Assim sendo, boa sorte para o dia de hoje!



#791

Quem nasceu para lagartixa, nunca será jacaré.

quinta-feira, 12 de janeiro de 2017

#790

Os bons trabalhadores, que trabalham bem, que não costumam faltar, que fazem tudo o que lhes pedem e mais ainda, normalmente são recompensados no final do ano. Recompensados com mais trabalho, mais responsabilidade e ordenado igual.

#789

Eu sei que disse que não tinha resoluções para o novo ano, mas tenho um objectivo: quero uma bimby.  Toda a gente tem uma bimby, estou constantemente a ouvir dizer maravilhas da bimby e a comer maravilhas feitas em bimbys, por isso também quero uma. Também quero comer comida saudável e cozinhar facilmente. Qquero meter tudo lá para dentro e sair-me um prato gourmet. Na minha cabeça imagino também que deve ser super fácil fazer comida vegetariana na bimby e que vou poder comer imensos pratos diferentes e saborosos. Ok, pode ser só na minha cabeça. Mas quero tanto uma! Tenho de conseguir uma até ao final do ano. É o meu objectivo.

quarta-feira, 11 de janeiro de 2017

#788

Não sou de começar o ano com resoluções, já sei que isso é sempre um fail, mas gosto de novos começos. Vi que houve pessoas que começaram trabalhos novos, pessoas que mudaram de casa, pessoas que fizeram coisas giras para inicar bem o ano. Eu comecei o ano com férias. Pensei eu, heverá forma melhor de começar o ano do que a descansar? E o Universo respondeu: sim, doente, de cama. É isso, tive férias e fiquei o tempo todo doente na cama na primeira semana do ano. Pelo menos descansei bastante, como tinha pensado. Mais do que tinha pensado até. Vamos ver no que isto dá. E bom ano para vocês também!

sexta-feira, 30 de dezembro de 2016

#787

O ano 2016 foi uma grande merda. 2015 foi um bom ano, consegui atingir alguns objectivos e fazer coisas que me deixaram feliz. Desde o início de 2016 que comecei a sentir que tudo o que tinha conseguido no ano anterior afinal era uma grande tanga. Fiquei sempre com a sensação de ter construído castelos de cartão, que se foram destruindo com o tornado que foi este ano. Por isso, queria dizer aqui uma coisa muito importante: FUCK YOU 2016!



quinta-feira, 29 de dezembro de 2016

#786


#785

Frase da semana: fake it 'till you become it.

#784

Às vezes vemos pessoas que fazem o mal e que saem sempre impunes dos seus actos. E estou a falar de tudo o que se possam lembrar, do gajo que é espertinho no trânsito e passa sempre os vermelhos e as filas sem ser multado ao gajo que faz pouco de toda a gente no trabalho e ninguém responde, do gajo da política que mete dinheiro ao bolso e não é condenado ao gajo que dá porrada aos tipos da Uber e não lhe acontece nada. Estou a falar em termos gerais, da menor à maior maldade, e quando falo em gajo não quero só dizer homens, claro, estou a falar no geral, só uso gajo porque é uma expressão que gosto de usar. E nós vemos essas pessoas sempre a fazerem mal e a safarem-se e sentimos que não há justiça. Eu gosto de acreditar que alguma coisa de mal lhes vai acontecer. Não sei o quê, posso até nunca saber, pode até nem ser algo comparável ao mal que fazem, mas tenho de acreditar que essas pessoas vão ser 'castigadas' senão perco a fé no mundo. Tenho de acreditar que vão ser multadas, ou traídas pelo parceiro/a, ou que vão partir uma perna a descer as escadas, ou que vão envelhecer sozinhas e tristes. Não sei se é justiça divina ou karma ou se o mal que fazemos nos chega sempre em dobro ou se é outra coisa que lhe queiram chamar. Espero que seja uma dessas ou todas, e que realmente haja uma espécie de balança que equilibre o universo de alguma forma, para eu continuar a acreditar na humanidade.

quarta-feira, 28 de dezembro de 2016