terça-feira, 23 de agosto de 2016

#626

Decidi recentemente deixar de ler notícias. Eu faço esta resolução cerca de uma vez por ano quando fico chateada com o mundo e acabo sempre por voltar, mas pronto, é enquanto eu me lembrar. Mas, apesar de não querer ler notícias que me vão irritar e/ou entristecer, gostava de ler notícias boas. Será que os jornais em vez de dividirem as notícias em temas como política, saúde, desporto, etc., não poderiam começar a dividi-las entre boas e más? Assim eu poderia facilmente entrar na secção das notícias boas e ler só coisas que me alegrassem. Quem, por seu lado, tivesse uma predilecção por desgraças, por exemplo, poderia ir directamente para a secção das más. Que tal?

#625

Que moda é esta de agora os restaurantes terem dois 'turnos'? Já não se consegue marcar restaurantes sem obrigatoriedade de sairmos ou entrarmos nas horas definidas. Das 19h30 às 22h ou das 22h às 24h. Não percebo isso. Quer dizer, percebo, estão a ser gananciosos, para meterem lá mais gente e ganharem mais dinheiro. Mas eu não vou cair nessa. Se vou a um restaurante, é para estar lá com tempo e comer ao ritmo que me apetecer e sair quando me apetecer. Estou a tentar marcar um jantar com amigas e já nos apareceram dois restaurantes que queríamos ir e que fazem isso. Mais um a que costumávamos ir e já deixamos de ir por terem aderido aos turnos também. Vou boicotar todos os restaurantes que se lembrarem de instittuir este horário ditatorial. Raios vos partam a todos!

segunda-feira, 22 de agosto de 2016

#624

Odeio talhos. Não é só por agora não comer carne vermelha. Odeio mesmo esses sítios, sempre odiei. O cheiro, os animais mortos lá expostos... Lembro-me de quando era miúda e a minha mãe me pedia para ir comprar fiambre, eu perguntava-lhe sempre se podia ir antes à mercearia em vez de ir ao talho, para não ter de entrar naquele sítio horrível. E quando ia com ela ficava sempre à porta à espera.

#623

Acham que é possível um vestido estar amaldiçoado? Sempre que ando com este vestido que trago hoje acontecem-me coisas más. Hoje o meu carro passou-se, ligou as luzes todas e fiquei parada no meio da rua. Uma das outras vezes que usei o vestido fiquei super mal disposta, vestígios de uma intoxicação alimentar que tinha tido há uns dias atrás,  e nao consegui ir trabalhar. E mais coisas que agora não me lembro. Começo a pensar que é culpa do vestido.

sexta-feira, 19 de agosto de 2016

#622

Frase do dia: It’s more important to be interested than to be interesting.

#621


Depois de interacções com vários espécimes, cheguei a uma conclusão: as pessoas das obras, serralheiros, carpinteiros, picheleiros, etc., são para o comum mortal o que os homens são para as mulheres.
Vejamos: conhecemos o primeiro serralheiro (vou usar este como exemplo) e achamos que é o nosso amor para a vida. Até ele deixar de atender o telefone, dizer que vai aparecer no nosso encontro para montar a janela e não aparece. Ficamos desiludidos e precisamos de algum tempo para recuperar. Depois encontramos outro. Achamos que agora é que é. Mas não, este afinal prefere o cliente que tem uma obra maior do que a nossa, à semelhança dos homens que preferem a outra tipa, mais gira do que nós. Então aí perdemos a esperança, e achamos que são todos iguais. Eventualmente, e quando menos esperamos, aparece um que faz o que queremos e ao qual nos tornamos fiéis para a vida.
Eu ainda estou na fase de achar que são todos iguais. Estou à espera que o meu serralheiro encantado apareça.

quinta-feira, 18 de agosto de 2016

quarta-feira, 17 de agosto de 2016

#618

Acho que já falei sobre isto, mas preciso dizer de novo de qualquer forma: anda toda a gente obcecada com a confirmação de dados pessoais. Não se consegue falar com ninguém sem nos pedirem para confirmarmos os dados pessoais. Não sei se é uma obsessão, uma moda ou uma verdadeira necessidade. Mas eu gostava que as pessoas parassem de me pedir para confirmar os meus dados pessoais. Acho que da próxima vez que me pedirem isso desligo ou fujo.

#617

Pessoas adultas que se riem quando se fala em tomates.

terça-feira, 16 de agosto de 2016

#616

O mecanismo para provarmos que não somos um robot está cada vez mais sofisticado. Num site que já não me lembro qual era, só guardei o printscreen, apareceu-me esta imagem para escolher quais eram as fotos que continham sinais da estrada:






Brevemente teremos de calcular um integral e escrever um ensaio sobre Samuel Beckett para podermos continuar.

#615

Hoje custou-me imenso sair da cama. Nesta semana ninguém devia ser obrigado a trabalhar. Está toda a gente de férias, tudo fechado, o país está praticamente parado. Ao menos o tempo está fresco. Esta semana estou a trabalhar mas estou em serviços mínimos.

sexta-feira, 12 de agosto de 2016

#614

Timor Leste a enviar ajudas para Portugal. Se ainda não chegamos ao fundo, não estamos muito longe.

#613

Adoro quando vou ao veterinário e compro alguma coisa para dar aos animais, tipo um desparasitante ou malte para as bolas de pêlo, e me dizem: não se preocupe, eles gostam, comem sozinhos. Sure, eles adoram. É vê-los a fugir quando lhes tento dar as cenas que supostamente iam comer de livre vontade. A gatinha que tinha antes e morreu de velhinha até se escondia mal nos via pegar no frasco de malte. Claro, eles vão adorar, vêm comer à nossa mão, claro, claro. E as embalagens dizem coisas como 'sabor irresistível'. Nem a minha cadela que come TUDO abre a boca para comer o desparasitante. Até será fácil de dar, mas a animais que não comem há 2 semanas pelo menos.

quinta-feira, 11 de agosto de 2016

#612

Hoje, no sítio onde trabalho, está como há dois dias estava perto de minha casa. Céu super nublado do fumo, cheiro a queimado e muito vento, óptimo para espalhar o fogo. E alguma besta lembrou-se de atirar foguetes. Really? Quem são estas pessoas? Não era de ir lá e dar-lhes porrada até não conseguirem levantar-se?